Review: Plain Sight

Plain Sight, game da Beatnik Games, trata-se de um multiplayer online de ação em terceira pessoal extremamente frenético. O game, que por algum motivo possui elementos dos mais variados voltados a características ninjas entre robôs, consegue ser divertido a todo custo. Eu, em minhas primeiras horas de jogatina, presenciei grandes shows de destruição, não sei exatamente o porque estes “show de destruição” são realmente uma proposta, eu só sei que o game de alguma maneira passa essa sensação. Plain Sight deixa elementos calmos para aprofundar-se no que existe de mais agitado entre robôs ninjas, diversos movimentos e destruição. Cheguei a ficar tonto e motivado a destruição, isto porque o game te coloca dentro de um tipo de caça robôs, fazendo com que você siga a traz destes robôs com apenas um intuito, despedaçá-los lindamente. Em geral, o game é destinado a suicídio entre robôs suicida, estes destinados a destruir uns aos outros. Por trata-se de um game multiplayer online, Plain Sight não procura entregar ao jogador uma história, até pelo os princípios que o fazem, já que, estes são inteiramente voltados a diversão sem compromisso.

A ideia do game é um tanto inovadora, os jogadores devem destruir os adversários e coletar a energia dos mesmos para que, após a sua escolha, seja executada a detonação. A detonação, que é de fato a única maneira aceita para ganhar pontos em praticamente todos os modos de jogo, pode ser ativada a qualquer momento, porém só é possível executá-la após ter coletado no mínimo uma energia, para coletar energias é necessário destruí no mínimo um adversário, vale lembra que essa não é a única forma existente de conseguir energia, também é possível conseguir energia a parti de estrelas aleatórias que aparecem em qualquer local do mapa, digo logo que não é bom confiar nas estrelas, por serem algo próximo de power-ups, o que ela vai te oferecer meio que depende da sorte. As energias que você coleciona infelizmente não são um passe para a felicidade, conforme mais energia é acumulada, o robô cresce em tamanho e força, forçando-o a ser mais estrategista e atento as grandes responsabilidades em relação a todas as energias coletadas. Caso você não saiba domina toda a energia que você vinha colecionando obviamente mantendo-se vivo, se você for destruído perde tudo que coletou e não tem nem mesmo direito a os pontos, que só podem ser somados quando você aperta o botão de detonação.

Um ponto fraco no game, que não é necessariamente um problema, é a sua jogabilidade, ela pode ser muito embaraçosa e causadora de certas dificuldades para os iniciantes no game. Por sorte, a jogabilidade é do tipo questão de tempo, e… eu acredito em você. Em uma partida de deathmatch, por exemplo, é necessário já ter a prática a seu favor, porque acredite, lutar contra outras pessoas não é fácil e exigira uma certa positividade do seu desempenho. Movimentos rápidos e desorientados não ocorreram por você ainda estar entrando no clima do game, mais porque o game funciona desta maneira, é complicado manter-se calmo e preparado para tudo que aqueles robôs ninjas podem fazer, eles são fodas e você não pode ser mais foda que eles se não jogar dentro da jogabilidade criada para eles, isto mesmo, a jogabilidade é um pouco complexa por este motivo, os robôs ninjas tem uma atenção complexa.

De uma boa execução de gravidade cria-se uma elegância única para o que se passa no game. A gravidade, mesmo sendo uma das coisas mais estranhas no game, é realmente interessante, a forma em que a mesma caracteriza muito bem os mundos no meio do espaço é excelente, e ver como aquilo realmente funciona e faz um proveito digno pode ser considerado mais uma façanha da Beatnik Games. Outro detalhe muito interessante é a integração dos robôs com a gravidade, mapa e energia. O mapa e a gravidade meio que trabalham a favor do robô, puxando ele para aquilo que realmente pode sustentá-lo em boa estrutura de batalha. Em conciliação com o mapa, a energia que você estiver carregando fará com que o mapa fique representativo por sua cor, isto acontece quando você passa por tal local do mapa e este local é automaticamente colorido por sua cor de energia representativa.

As lutas entre os robôs, sendo elas toda a base do game, proporcionam uma experiência agitada e realmente frenética, como eu mencionei no começo deste post. Ser rápido e ter uma noção dos seus movimentos é crucial para sua sobrevivência, já que a sua destruição pode acontecer a qualquer momento. Tudo é muito imprevisível, você não terá tempo de montar uma estratégia de sobrevivência se realmente não souber usar todos os elementos do game. Gravidade e boa agilidade em calar seus rastros é um passo para driblar seus adversários, todavia passo mais importante só pode ser dado atravez das habilidades extras que são trocadas por experiência. Estas habilidades extras são um tipo de melhorias especificas para o seu robô, variando de defensivas até as de ataque. Trocáveis por experiência, as habilidades extras só podem ser aumentadas desta maneira, sendo assim, quer dizer que cada morte sua você ganha um ponto de experiência para ser trocado por aumento de habilidades extras.

 

Diversos modos de jogo e pouco apelo aos mesmos desagrada, e o porque disto é a falta de pessoas, o game, por infelizmente não ter conseguido engrenar para valer, tem poucas pessoas registradas e um público alvo não muito resolvido. Não ter pessoas para jogar é um problema, pois além de causar uma certa falta de opção para o game, torna as coisas mais difíceis para os que querem jogar a todo instante e diretamente falando pagaram por isso. Modos, servidores dedicados, grande capacidades de pessoas em uma única sala e outras coisas do tipo, em palavras sinceras… realmente não valem de nada se eu você e você não estamos jogando o game. Pessoas estão faltando e este é sem dúvida o maior ponto fraco do game atualmente.

Gráficos competentes climatizam perfeitamente a atmosfera do game, até porque os gráficos tiveram uma boa atenção, de fato não é uma coisa muito explorada ao que deveria, mais segura muito bem o peso do game. Repleto por bons efeitos visuais, os gráficos atendem aos efeitos muito bem e tem potencial para agradar aos mais exigentes.

Efeitos sonoros um pouco batidos, já que falham e deixam a desejar em determinados aspectos, em poucas palavras eles estão lá apenas para propor uma melhor experiência. A trilha sonora, que eu fico pensando se realmente existe, isto porque eu apenas me lembro de um som aceitável como uma track específica de uma trilha sonora apenas nos menus do game.

Adquirível pelo o excelente valor de , Plain Sight vale o preço e pode sim ser um ótima aquisição, e isto vale para todos os amantes de games multiplayer descompromissados e frenéticos.

COMPRE PLAIN SIGHT PARA WINDOWS NO STEAM

COMPRE PLAIN SIGHT PARA WINDOWS EM OUTRAS LOJAS DIGITAIS

NOTA: 8/10

Um comentário em “Review: Plain Sight”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s